Android – Convertento byte[] do onPreviewFrame em um JPEG ( Android byte[] to image in Camera.onPreviewFrame )

android-camera-surfaceview

import android.graphics.YuvImage;

[...]

private volatile byte[] imageYuvData;

@Override
public void onPreviewFrame(byte[] data, Camera camera) {
    if(processing)return;
    imageYuvData = data;
}

[...]

public void savePreviewFrame(File file) throws Throwable {
	processing=true;
	try{
        Camera.Parameters parameters = camera.getParameters();
        Size size = parameters.getPreviewSize();
        YuvImage image = new YuvImage(data, parameters.getPreviewFormat(),
                size.width, size.height, null);
        FileOutputStream filecon = new FileOutputStream(file);
        image.compressToJpeg(
        		new Rect(0, 0, image.getWidth(), 
        				image.getHeight()), 90,
        				filecon);
	}finally{
		processing=false;
	}
}

[...]

Android Studio / Gradle / Maven – Como fazer upload de sua biblioteca em seu repositório Maven.

maven

O plugin Maven adiciona suporte para a implantação de artefatos nos repositórios Maven.

Como utilizar (inserir no build.gradle do modulo do seu projeto):
—————-

apply plugin: 'com.android.library'
apply plugin: 'maven' //ADICIONE O PLUGIN MAVEN

//CRIE O METODO ABAIXO PARA CONFIGURAR O UPLOAD:
uploadArchives {
    repositories {
        mavenDeployer {
            repository(url: mavenLocal().getUrl()) //URL DO SEU REPO MAVEN(NO EXEMPLO ESTA USANDO O LOCAL)
            pom.artifactId ='swap_android'
            pom.groupId = 'br.com.helpdev'
            pom.version = '1.0'
        }
    }
}

Após configurado, basta sincronizar o projeto e chamar o ‘uploadArchives’: Continue reading

Java – Criando um serviço WEB para executar fora de um container java (web server standalone with grizzly-http-server / jersey-server / javax.ws.rs)

javaeeNesta publicação vamos mostrar como criar um servidor web standalone, ou seja, vamos compilar o projeto como um jar e executa-lo pelo terminal sem a necessidade de precisar dar deploy em um container java (exemplo: glassfish, toncat, etc). Para isso vamos criar um projeto java com o maven para incluir as seguintes dependências:

javax: javaee-web-api
org.glassfish.grizzly: grizzly-http-server, grizzly-framework
org.glassfish.jersey.core: jersey-server, jersey-common, jersey-client
org.glassfish.jersey.media: jersey-media-sse, jersey-media-json-processing
org.glassfish.jersey.containers: jersey-container-grizzly2-http, jersey-container-servlet

Essas dependências permitem criar um web server e subir sua aplicação em um container próprio. As dependências do javax nos permite criar o serviço web REST, a grizzly fica responsável pelo servidor web e a jersy pelo container. Nesse projeto não vamos chegar a usar todas essas dependências porem vamos deixar no projeto.

Iniciaremos o projeto configurando o pom.xml: Continue reading

Maven – Gerar uma distribuição com suas dependências / Gerar um FatJar / Configurar o JavaExec / Configurar Manifest

maven

Segue um script de configuração para compilar projetos java e gerar uma distribuição com todas dependências, com opcional de fatJar.
- Configurar o Manifest
- Configurar a execução pela IDE através do type: JavaExec
- Gerar uma distribuição com as dependências dentro da pasta libs/
- Gerar uma distribuição fatJar
- Maven Can’t execute jar- file: “no main manifest attribute”

ARQUIVO POM.XML: Continue reading

Java / GSON – Serializing and Deserializing Generic Types

gson - json

Quando você chama .toJson(obj) o Gson internamente usa obj.getClass() para obter informações sobre os campos para serializar. Da mesma forma na deserialização se passa MyClass.class no método fromJson(json, MyClass.class). Isso funciona bem se o objeto é um tipo não-genérico. No entanto, se o objeto é de um tipo genérico as informações são perdida porcausa da sua generalização. Segue um exemplo:

class Foo<T> {
  T value;
}

Gson gson = new Gson();

Foo<Bar> foo = new Foo<Bar>();
// Não pode serializar foo.value corretamente:
gson.toJson(foo);
// Falha ao deserializar foo.value as Bar:
gson.fromJson(json, foo.getClass()); 

O código acima não consegue interpretar  o valor como um tipo Bar porque o Gson invoca list.getClass() para pegar a informação da classe, mas esse método retorna uma classe cru, Foo.class. Isto significa que Gson não têm nenhuma maneira de saber que este é um objeto do tipo Foo <Bar>, e não simplesmente Foo.

Você pode resolver esse problema especificando o tipo correto para o seu tipo genérico. Você pode fazer isso usando a classe TypeToken veja o exemplo: Continue reading

C# – Como adicionar PIN/Senha automaticamente no Certificado A3.

Suporte Técnico, Instalação e Configuração de Certficado Digital Seara Experian

Em dezenas de artigos eu vi métodos que adicionam o PIN automaticamente, mas nenhum funcionava, inclusive alguns fizeram eu até perder o certificado do cartão.

Essa parte abaixo costumam usar nos métodos:

RSACryptoServiceProvider rsa = new RSACryptoServiceProvider(csp);
RSACryptoServiceProvider.UseMachineKeyStore = true;
rsa.PersistKeyInCsp = false;

Com essas duas propriedades, linha 2 e 3, ela apagava o PIN do cartão ou fazia não funcionar a senha.
Método para adicionar o PIN / Senha no certificado A3 automaticamente.

public static RSACryptoServiceProvider LerDispositivo(RSACryptoServiceProvider key, string PIN)
{
CspParameters csp = new CspParameters(key.CspKeyContainerInfo.ProviderType, key.CspKeyContainerInfo.ProviderName);
SecureString ss = new SecureString();
foreach (char a in PIN)
{
ss.AppendChar(a);
}
csp.ProviderName = key.CspKeyContainerInfo.ProviderName;
csp.ProviderType = key.CspKeyContainerInfo.ProviderType;
csp.KeyNumber = key.CspKeyContainerInfo.KeyNumber == KeyNumber.Exchange ? 1 : 2;
csp.KeyContainerName = key.CspKeyContainerInfo.KeyContainerName;
csp.KeyPassword = ss;
csp.Flags = CspProviderFlags.NoPrompt | CspProviderFlags.UseDefaultKeyContainer;

RSACryptoServiceProvider rsa = new RSACryptoServiceProvider(csp);
return rsa;
}

Abaixo coloquei o método que desenvolvi para assinar o arquivo XML e que assina o método de adicionar o PIN no cartão, automaticamente, sem fazer nada manualmente: Continue reading

Java – Como utilizar a FutureTask, controlando o timeout e status de uma thread

multithreadingFutureTask é uma implementação da interface Future a ser executada numa chamada em paralelo. Sendo possível cancelar a execução de uma tarefa, descobrir se a execução já terminou com sucesso ou erro, entre outras operações.

A FutureTask precisa de uma interface para a implementação de uma execução em paralelo. a Callable é parecida com a interface Runnable, mas esta não retorna nenhum valor, enquanto a Callable deve retornar um valor ao final da execução;

MÉTODOS DO FUTURE:

future.cancel(boolean mayInterruptIfRunning) : Cancela o processamento, passar true para interromper se ela ja está iniciada, ou false para cancelar se ainda nao foi iniciada.
future.get(long timeout, TimeUnit unit)  : Espera a resposta da execução de acordo com timeout.
future.get() : Espera a resposta da execução.
future.isDone() : Verifica se a execução já acabou.
future.isCancelled() : Verifica se o processamento foi cancelado.

Exemplo: Continue reading

Android – Bloqueando a orientação de tela programaticamente

full_screen_android

Segue alguns métodos uteis para lidar com a orientação de tela programaticamente.

/**
 * Destravando orientação de tela
 *
 */
public static boolean releaseScreenOrientation(Activity activity) {
    return lockScreenOrientation(activity, ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_UNSPECIFIED);
}

/**
 * Travando orientação de tela na posição atual.
 *
 */
public static boolean lockCurrentScreenOrientation(Activity activity) {
    return lockScreenOrientation(activity, activity.getRequestedOrientation());
}

/**
 * Recebe como parametro: ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_XXXXXX
 *
 * @param activity Activity
 * @param screenOrientation ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_PORTRAIT
 */
public static boolean lockScreenOrientation(Activity activity, int screenOrientation) {
    activity.setRequestedOrientation(screenOrientation);
    return true;
}

/**
 * Recebe como parametro: Surface.ROTATION_X
 *
 * @param activity Activity
 * @param screenRotation Surface.ROTATION_0 / 90 / 180 / 270
 */
public static boolean lockScreenRotation(Activity activity, int screenRotation) {
    if (screenRotation > -1) {
        int orientation = activity.getRequestedOrientation();
        switch (screenRotation) {
            case Surface.ROTATION_0:
                orientation = ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_PORTRAIT;
                break;
            case Surface.ROTATION_90:
                orientation = ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_LANDSCAPE;
                break;
            case Surface.ROTATION_180:
                orientation = ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_REVERSE_PORTRAIT;
                break;
            case Surface.ROTATION_270:
                orientation = ActivityInfo.SCREEN_ORIENTATION_REVERSE_LANDSCAPE;
                break;
        }
        return lockScreenOrientation(activity, orientation);
    } else {
        return false;
    }
}